Artigo

Seminarista Pedro Henrique De Angeli

QUARESMA: CONVERSÃO E SEGUIMENTO DE JESUS

Por Seminarista Pedro Henrique De Angeli

 

Deus é amor, e quem permanece no amor, permanece em Deus (cf 1Jo 4, 16).

 

A Quaresma é um lindo e forte tempo da nossa Liturgia. É um momento propício para estar com o Senhor, buscar N’ele a força para a nossa caminhada e, principalmente, favorecer a conversão. É preciso estarmos atentos a isso!

 

Um gesto muito forte deste tempo é o que marca a celebração da Quarta-feira de Cinzas: Inclinamos a cabeça para receber as Cinzas – Sinal que expressa nossa igual condição. Ninguém é melhor do que o outro. Todos somos pó e que passando por ele o vento, logo se vai, e o seu lugar não será mais conhecido (cf Sl 103, 16).

 

Diante disso, também reconhecemos a infinita misericórdia de Deus, que sopra sobre nós o Espírito Santo e nos dá vida; que sempre está em nosso auxílio, inclinado a nos perdoar. Ele, que dá valor a cada pessoa humana, nos une em seu amor e em todo tempo nos acolhe como filhos.

 

Assim como o tempo quaresmal, também a Campanha da Fraternidade Ecumênica deste ano de 2021 nos convida a sermos fiéis servidores do Senhor no diálogo e na fraternidade com todos. Quem se abre a esse passo de proximidade com o outro cresce no amor e na unidade, que são reflexos do Evangelho de Jesus Cristo.

 

O termo Fraternidade, tem origem no vocábulo latino frater, que significa irmão. Hoje, podemos nos perguntar: Quantas vezes não tratei o outro como um irmão?

 

Seguir os passos de Jesus é uma missão difícil, pois, muitas vezes, não vai na mesma direção que queremos. Ele nos mostra o caminho do amor fraterno – que é próprio de irmãos – enquanto nós, preferimos seguir nossas vontades e desejos. Preferimos tomar atitudes que dificultam o desenvolvimento da fraternidade universal (Fratelli Tutti §9), fechando-nos no individualismo e no egoísmo.

 

O amor de Cristo nos uniu – respondemos depois da oração da paz. Como é bela e verdadeira essa expressão. Nós, enquanto cristãos, precisamos ser os primeiros a buscar a unidade por meio do diálogo na construção da fraternidade e na defesa de uma sociedade mais justa. Que esta quaresma nos inspire a voltar ao essencial de forma verdadeira, através da oração, do jejum e da caridade, e que a reflexão sobre nossa vida nos converta dia a dia para Aquele que nos dá esperança e paz (cf Rm 15, 13).