Artigo

Seminarista Marciel Zucoloto Pizetta

“VEM E VERÁS” (Jo 1, 46) – 55º Dia Mundial das Comunicações Sociais

Por Seminarista Marciel Zucoloto Pizetta

 

Todos os anos são celebrados, em vários países, no domingo que precede a Festa de Pentecostes, o dia Mundial das Comunicações Sociais. Este ano, de maneira especial, em sua 55º edição, somos convidados, pelo Papa Francisco, a ir ao encontro das pessoas, onde estão e como são, “Vem e Verás” (Jo 1,46), como nos mostra o tema proposto para as comemorações referentes a esse dia.

 

Estabelecida pelo Concílio Vaticano II, essa celebração possui como finalidade “chamar a atenção dos seus filhos e de todos os homens de boa vontade para o vasto e complexo fenômeno dos modernos meios de comunicação social” (Mensagem do Papa Paulo VI para o 1º Dia Mundial das Comunicações Sociais, 1967). Desse modo, neste ano, podemos recordar todo o empenho e dedicação que foram necessários aos Padres, Diáconos e agentes de pastorais para reinventar a forma de levar a mensagem de Deus a todas as pessoas, frente ao cenário da pandemia da COVID-19.

 

Diante dessas circunstâncias, grandes foram as lutas enfrentadas pelas equipes de comunicação, entretanto muito maior a coragem e a força de vontade de caminhar por caminhos desconhecidos, pois “a primeira motivação para evangelizar é o amor que recebemos de Jesus, aquela experiência de sermos salvos por Ele que nos impele a amá-Lo cada vez mais” (Evangelli Gaudium, 2013, on-line).

 

Com esse mesmo emprenho, os Padres, Diáconos e agentes de pastorais são motivados pelo Papa Francisco a avançar para águas mais profundas (Lc 5, 4), a encontrar pessoas para procurar histórias ou verificar, com os próprios olhos, determinadas situações, ou seja, deixar o comodismo de lado e buscar conhecer a realidade dos que nos ouvem, o que significa não ficarmos somente atrás das telas ou das câmeras, mas compreendermos que “Todo instrumento só é útil e válido, se nos impele a ir e a ver coisas que, de contrário, não chegaríamos a saber”, como diz o Papa Francisco na carta dedicada ao 55º Dia Mundial das Comunicações Sociais (2021, on-line).

 

Assim sendo, a comunicação deve ir além da transmissão de missas, grupos ou lives. Ela, de modo geral, precisa atingir o coração de cada pessoa, de modo a levá-la a uma experiência única com Deus, mostrando uma igreja que “sente-se real e intimamente ligada ao gênero humano e à sua história”. (Gaudium et spes, Proêmio, 1965).

 

Dessa forma, a Pastoral da Comunicação (Pascom) foi um canal que possibilitou maior abertura ao anúncio da palavra de Deus, visto sua grande atuação por meio das redes sociais. Entretanto, não podemos nos acomodar e ficarmos restritos a esta atuação. É necessário “gastarmos as solas dos sapatos” e movidos pelo Espírito Santo evangelizarmos com a linguagem de nosso povo e com a história de cada um: “Ide por todo o mundo e proclamai o Evangelho a todas as pessoas” (Mc 16, 15). Além disso, o Coordenador Nacional da Pascom, Marcus Tullius, reforça, em uma entrevista sobre o 54º dia Mundial das Comunicações, que “o avanço do coronavírus levou, de uma vez por todas, a Igreja para o ambiente digital e que ela não poderá renunciar quando tudo isso acabar”.

 

Logo, somos provocados pelo Papa Francisco a encontrarmos as pessoas onde elas estão e como são e a utilizarmos os meios e experiências adquiridos, durante este ano de pandemia, para difundir, cada vez mais, o Evangelho de Cristo.

 

“Senhor, ensinai-nos a sair de nós mesmos,

e partir à procura da verdade.”

(Papa Francisco)