Pesquisar
Close this search box.
Pesquisar
Close this search box.

PADROEIRO

SÃO PEDRO

A história da escolha do padroeiro da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim se relaciona à escolha do padroeiro da Catedral da cidade que, por sua vez, relaciona-se à escolha do padroeiro da cidade de Cachoeiro de Itapemirim. O fato é que, sendo São Pedro tão popular como padroeiro, as razões dessas escolhas se entrelaçam e já não é possível determiná-las com exatidão.

A relação da cidade com São Pedro se iniciou mesmo antes de Cachoeiro de Itapemirim ser reconhecida como município. Como oficialmente sua história se iniciou um 29 de junho de 1812, dia desse santo, ele foi escolhido pelos colonizadores como padroeiro da cidade, seguindo o costume da época de nomear as cidades com o nome do santo festejado no dia. Inclusive, em alguns momentos de sua história, a cidade chegou a ter “São Pedro” no nome.

Um desses nomes foi Freguesia de São Pedro das Cachoeiras, criada em 16 de julho de 1856 – dia em que a primeira missa foi celebrada pelo padre Manoel Leite Sampaio Mello em um dos cômodos de um

velho armazém do Barão de Itapemirim, no Baiminas, próximo onde hoje é a Matriz Velha e onde os primeiros registros das celebrações em honra a São Pedro são mencionados.

Assim, São Pedro, já padroeiro da cidade, foi escolhido padroeiro da Paróquia instalada na Matriz Velha, hoje Igreja Nosso Senhor dos Passos, até que, em 1949, foi inaugurada a nova Matriz da Paróquia São Pedro.

 A partir de 16 de fevereiro de 1958, com a criação da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim, São Pedro passou a ser o padroeiro também da Diocese, e a igreja Matriz passou a ser a Catedral. 

Desde a instauração da Diocese, a procissão em homenagem ao Santo é um marco da festa em 29 de junho. Porém, em registros históricos da Paróquia São Pedro, mesmo quando esta pertencia à Diocese do Espírito Santo (atual Arquidiocese de Vitória), já havia menções da procissão ao seu Padroeiro desde 1914. 

Com tamanha devoção a São Pedro em Cachoeiro de Itapemirim, não seria de admirar que Rubem Braga tivesse razão: Sempre tenho confiança de que não serei maltratado na porta do céu, e mesmo que São Pedro tenha ordem para não me deixar entrar, ele ficará indeciso quando eu lhe disser em voz baixa: Eu sou lá de Cachoeiro. (O Dia de São Pedro, 1951)

NOSSA SENHORA DO AMPARO

Para entender por que a Diocese de Cachoeiro de Itapemirim tem Nossa Senhora do Amparo como co-padroeira, é preciso viajar no tempo…

A origem da devoção a Nossa Senhora do Amparo reporta ao ano de 1625, quando uma Igreja dedicada a ela foi fundada pelos missionários jesuítas, nos Montes Castelos – atualmente região do Caxixe, próxima à Fazenda do Centro, no município de Castelo. Em 12 de novembro de 1710, foi elevada à Igreja Matriz da Paróquia dos Montes do Castelo, sob a nomeação de Nossa Senhora do Amparo.

Em 1765, devido à insegurança por ataques indígenas e devido à fome na região, os habitantes migraram a Igreja para o Sítio Itapemirim, levando as Imagens de Nossa Senhora do Amparo, a Pia Batismal, o sino e outros paramentos, edificando ali o primeiro templo. Um segundo templo foi erguido no centro de Itapemirim, do qual ainda existem ruínas.

A Paróquia Nossa Senhora do Amparo foi criada por ato diocesano de Dom Antônio Malheiros Reimão, 6.º Bispo do Rio de Janeiro, em março de 1769. E a atual e belíssima Igreja Matriz Nossa Senhora do Amparo, terceiro templo dessa Paróquia, foi inaugurada em 15 de setembro de 1855.

Em 2019, celebrando 250 anos da criação da Paróquia, a imagem de Nossa Senhora do Amparo peregrinou nas comunidades dessa Paróquia, bem como foi realizada a primeira edição do Caminho do Amparo, com fiéis percorrendo 100 quilômetros a pé entre Castelo, Cachoeiro de Itapemirim e Itapemirim, relembrando o caminho percorrido em 1765.

Durante as comemorações, grande foi a demonstração de fé e devoção do povo por Nossa Senhora do Amparo, que é a devoção mariana mais antiga em nossa diocese. Diante dessa realidade, ainda em 2019, Nossa Senhora do Amparo se tornou co-padroeira da Diocese de Cachoeiro de Itapemirim.

Ainda que toda essa história justifique, a verdade é que, no fundo, no fundo, todo filho sempre deseja o colo da mãe!

Nossa Senhora do Amparo, rogai por nós!